Emendas 2022 - Votacao - Header Wix.png

Promoção da lactação no Banco de Leite Humano - Caism/Unicamp

Campinas

Hospital Da Mulher - Caism/Unicamp

Resumo

METODOLOGIA DE ATUAÇÃO:
O Banco de Leite Humano é um centro especializado obrigatoriamente vinculado a um hospital materno e ou infantil, responsável pela promoção do incentivo ao aleitamento materno e execução das atividades de coleta, processamento e controle de qualidade de colostro, leite de transição e leite humano maduro, para uso interno da instituição.
O CAISM possui uma sala para extração láctea que visa a retirada bem-sucedida do leite, e foi preparada para que as mães aprendam inclusive, a fazer relaxamento e massagem nas mamas previamente à extração. Em média, são coletados cerca de 110 litros/mês de leite materno de mães que tenham seus filhos internados na UTI Neonatal.
O Caism fornece à mãe/doadora um kit com touca, máscara, vidros estéreis, disponibiliza a bomba elétrica de extração láctea de uso hospitalar, assim como orientações de higiene, distanciamento social e cuidado com o leite extraído, medidas rigorosas que se intensificaram durante a pandemia. Em 2020, o Banco de Leite Humano realizou 6.892 atendimentos à nutriz, que incluem assistência à amamentação e à extração láctea. Desse trabalho resultou a coleta de cerca de 1.384 litros de leite humano, sendo 1057 litros distribuídos na unidade neonatal. Dado de domínio público acessível em: https://www.caism.unicamp.br/index.php/2016-03-29-11-14-52/relatorios-anuais

AÇÃO PROPOSTA:
A solicitação de bombas elétricas para extração de leite de uso hospitalar é sobremaneira importante porque ajuda e facilita a nutriz nesse processo. Importante ressaltar que tais bombas e utensílios são esterilizáveis e permitem reuso, conforme normas sanitárias vigentes e tem vida útil prolongada. As nossas bombas atuais são antigas, com mais de 10 anos de uso, e suas peças de reposição não são mais encontradas no mercado. A aquisição de novos aparelhos será de inestimável valor para a qualidade de assistência às mães e recém-nascidos. Pretende-se adquirir 6 bombas de extração de leite de uso hospitalar para o Banco de Leite Humano do Caism/Unicamp.

TEMPO E RECURSOS PREVISTOS:
A execução do projeto será de início imediato, assim que os equipamentos estiverem disponíveis. Tempo de uso: a depender do tempo médio de usabilidade dos equipamentos. Ressaltamos que o Hospital possui equipe de Engenharia Clínica exclusiva, composta de um engenheiro clínico e 2 técnicos auxiliares capacitados para realizar a manutenção preventiva dos equipamentos.
A dimensão e valor do projeto proposto foi planejado com base nas necessidades da instituição para melhor atender seus beneficiários e na cotação de mercado, além de terem sido pautados na realidade de captação de recursos da instituição. Hoje, o Hospital necessita de 09 bombas elétricas de extração de leite de uso hospitalar, no valor estimado de unitário de R$ 33.300,00. A indicação de R$ 200.000,00 viabilizará a aquisição de 6 unidades.

RESULTADOS ESPERADOS
A Divisão de Neonatologia procura proporcionar o atendimento mais atual e efetivo a essas crianças e isso exige uma equipe treinada e atualizada no manejo, um local adequado de trabalho e equipamentos que possibilitem o tratamento, bem como proporcionar um acolhimento adequado à família. Dessa forma, o Caism para que possa estar preparado para a devida assistência dessas crianças, pleiteia através desse projeto a aquisição de equipamentos.
Também, como justificativa para a solicitação efetuada, lembramos que o Banco de Leite Humano passará por reforma, previsto para início em outubro/2021, e nesse aspecto, atualizar seu parque tecnológico, proporcionará a população SUS dependente, e principalmente aos recém-nascidos, um serviço de excelência. As bombas de extração permitirão um processo de extração do leite materno adequado para as mães das crianças internadas, de modo a garantir a produção láctea necessária para alimentação de seus filhos e para doação às outras crianças.

Experiência

EXPERIÊNCIA DA INSTITUIÇÃO:
Com 130 leitos, o Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti – Caism/Unicamp atende as especialidades de Oncologia, Obstetrícia, Neonatologia e Ginecologia. É recertificado como Hospital de Ensino pelos Ministérios da Saúde e da Educação (Portaria Interministerial 3.960, 12/2019). Está habilitado como Centro de Referência para a Rede Cegonha (Portaria Ministério da Saúde 3.059, de 21/12/2011), com 15 leitos de Unidade de Cuidados Intermediários Convencionais - UCINCo (Portaria Ministério da Saúde/SAS/352, 08/04/2013) e 15 leitos de UTI Neonatal Tipo III (Portaria Ministério da Saúde/SAS/352 1.441, 18/12/2014). Possui 16 leitos para Patologias Obstétricas e 6 leitos de UTI Adulto Tipo II para atendimento de alta complexidade em obstetrícia (Portaria Ministério da Saúde/SAS/ 3.059 de 21/12/2011). Para o risco habitual, possui 24 leitos de alojamento conjunto para atendimento do binômio. É certificado como Hospital Amigo da Criança desde 2004 (Portaria Ministério da Saúde/SAS/109, 08/04/2004) e segue as recomendações da política nacional de atenção humanizada ao recém-nascido (Portaria Ministério da Saúde n° 1.683 de 12/07/2007). Possui Banco de Leite Humano desde novembro de 2004 para atendimento de mães lactantes e seus recém-nascidos internados na Unidade Neonatal e segue as recomendações da Resolução da Anvisa -RDC Nº 171, de 4 de setembro de 2006.
O Caism é um hospital exclusivamente financiado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), através da parceria com o Ministério da Saúde e com a Secretaria de Estado da Saúde, integra o Departamento Regional de Saúde VII, sendo referência para 62 municípios e abrangendo uma população estimada em 6 milhões de pessoas, a assistência em saúde prestada é totalmente gratuita, como consultas, exames, partos, cirurgias, internação, entre outros atendimentos.
No contexto de atendimento global à mulher, a assistência ao recém-nascido foi implementada desde o primeiro dia de funcionamento do Hospital, tornou-se conhecido nacionalmente por um tipo de atendimento ao binômio mãe-recém-nascido que mais tarde se tornaria padrão nacional e mundial: o Alojamento Conjunto, no qual a mãe e o recém-nascidos permanecem juntos durante toda a internação, promovendo o atendimento completo ao binômio e favorecendo a ligação e o aleitamento materno.
Com um número de nascimento que oscila entre 2700 e 3000/ano, apresenta indicadores obstétrico e neonatais que refletem a gravidade das crianças atendidas, as quais dependem de atendimento especializado. A Divisão de Neonatologia tem apresentado uma taxa de ocupação/internação elevada na última década, as taxas mensais têm ultrapassado os 100%, especialmente na categoria Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. E neste cenário de superlotação, houve necessidade de adequações ao contexto da pandemia pelo Coronavírus.

PANDEMIA:
O Caism modificou todo o seu funcionamento habitual a partir de março/2020 para promover o enfrentamento COVID-19. A unidade neonatal também se adaptou e promoveu mudanças, porém sem deixar de lado o aspecto humanitário do atendimento. A sala de parto da gestante com suspeita de COVID ou caso confirmado foi modificada para promover o isolamento adequado à situação clínica. Porém, o atendimento ao recém-nascido permaneceu na mesma sala, permitindo que a mãe pudesse presenciar o atendimento.
Devido à situação epidemiológica, fomos obrigados por questão sanitária a não permitir a presença do acompanhante durante a internação (previsto também pelo Ministério da Saúde), porém, “quebramos” um paradigma de não permitir aparelho de telefone celular: com este telefone da própria mãe devidamente envolvido em película plástica, é possível a realização de fotografias do recém-nascido e da gestante/puérpera e ela pode posteriormente enviá-las a sua família.
Para mãe com suspeita ou confirmação de COVID-19, desde que não seja grave e que não exija de terapia intensiva, o recém-nascido permanece com ela em quarto de isolamento e ela recebe toda orientação quanto ao uso de máscara comum, higienização das mãos e amamentação. Reforçamos que a amamentação nessa condição deve ser mantida e tem sido recomendada pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), Sociedade de Pediatria de São Paulo, Sociedade Brasileira de Pediatria, Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde.
A transmissão perinatal tem sido estudada e não pode ser afastada e nesse aspecto o leite materno pode ter um efeito protetor uma vez que ele possui uma série de substâncias bioativas com características viricidas ou de inativação viral, bem como leucócitos vivos que permitem o mesmo efeito antiviral.
Caso o recém-nascido necessite de internação por algum motivo, que o impeça de ser amamentado, a mãe ou a doadora de leite materno recebem orientação sobre como extrair e armazenar o leite para manter a lactação. Nesse sentido, o presente projeto tem como objetivo captar recursos para a aquisição de bombas elétricas para extração de leite materno de uso hospitalar a serem utilizadas no Banco de Leite Humano do Hospital da Mulher - Caism/Unicamp.

INTEGRAÇÃO COM OS OBJETIVOS DO EDITAL – PRIMEIRA INFÂNCIA:
O Banco de Leite Humano é uma das iniciativas estimuladas pelo Programa de Hospital Amigo da Criança, que preconiza principalmente a promoção, proteção e o apoio ao aleitamento materno, além de uma série de ações voltadas aos bebês desde o pré-natal, a assistência ao parto até o acompanhamento da criança em seu primeiro ano de vida. O Banco de Leite Humano do CAISM recebeu o certificado de Excelência em Bancos de Leite Humano - Categoria Ouro - pelo desempenho nos anos de 2013, 2014, 2015 e 2016. A certificação é concedida pelo Programa Iberoamericano de Bancos de Leite Humano com patrocínio da Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz - Instituto Fernandes Figueira e Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica. A partir de 2017 a Rede Brasileira de Bancos de Leite mudou a certificação para credenciamento e desde então nosso banco de leite continua recebendo o status de banco credenciado.
Este projeto visa atender recém-nascidos de baixo peso ao nascer e/ou prematuros internados na UTI Neonatal, numa faixa etária de 0-28 dias, porém a depender do grau de prematuridade, gravidade clínica e de complicações associadas, eles eventualmente permanecem até 90-120 dias de vida, assim como, suas mães e as doadoras de leite materno.

Público Alvo

SETOR BENEFICIADO:
O Banco de Leite Humano do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher - CAISM da Unicamp foi inaugurado em novembro de 2004 e visa melhorar a saúde dos prematuros e estreitar os laços entre mãe e bebê. O banco foi criado para atender a demanda interna da instituição, ou seja, garantir que o leite materno coletado, armazenado, pasteurizado, seja ofertado à criança internada na neonatologia do hospital.

PÚBLICO ALVO:
Hospital da Mulher atende exclusivamente pacientes SUS. Em geral, são famílias com renda baixa a média, com um número significativo de mães com companheiros não oficializados (união consensual) e uma taxa de pais adolescentes (<18 anos) em volta de 20%. A maioria possui nível de escolaridade média. Parcela muito pequena tem acesso a plano de saúde privado, em geral ligado a empresa onde trabalham. Um dado importante dessa população é que cerca de 40-50% é proveniente de fora da cidade de Campinas e para a sua vinda ao hospital foram desenvolvidas estratégias de facilitação juntos aos municípios, incluindo auxílio com transporte, estadia, acolhimento e refeições no Caism, pois a presença dos pais é essencial ao cuidado do recém-nascido, mesmo que internado.
O atendimento hospitalar de nível terciário, de internação e de acompanhamento ambulatorial especializado estende-se desde a gestação até dois (2) anos de idade da criança, o contato com a rede de apoio municipal é feito por meio de uma avaliação multiprofissional, conforme a demanda. O número de crianças de risco, aquelas que dependem de leito de UTI e que nascem com peso menor que 2000g ou idade gestacional inferior a 35 semanas a depender da gravidade, oscila entre 400 a 750/ano. A aquisição de bombas para a extração do leite humano é essencial para manter a lactação materna e garantir a oferta de leite materno ao recém-nascido prematuro internado.