"Projeto Escola Sem Assédio é necessário no estado de SP", aponta deputada

"Alunas querem aula, não assédio". O grito usado por estudantes da UNESP de Bauru reforça a necessidade de políticas públicas contra o assédio nas universidades e escolas. Denuncias recentes contra um professor por praticas de assédio na UNESP tornaram-se públicas e mostra que é preciso mudar essa realidade. A deputada estadual Marina Helou tem lutado por isso no estado de São Paulo. Ela afirma que o assédio sexual e moral está em todos os espaços e que desde a escola as meninas precisam estar seguras.

Manifestação das estudantes contra os relatos de assédio na Unesp Bauru. (Foto: Reprodução)


Por isso, junto com a sociedade civil e estudantes de ETECs de São Paulo, Marina protocolou o Projeto de Lei Escola Sem Assédio em abril deste ano para que haja conscientização, medidas de enfrentamento e combate, além de apoio psicológico às vitimas de casos de assédio que acontecem dentro das escolas estaduais e técnicas de São Paulo.


"Meninas são vítimas de assédio nas escolas. Meninas são vítimas de assédio nas escolas. Muitas nem sabem que isso é uma violência ou não sabem a quem recorrer, como denunciar. E às vezes quando denunciam, não são ouvidas. Precisamos mudar essa lógica e mostrar que existe acolhimento para as vítimas e punição para o assediadores".


ESTUDANTES NA LUTA


No mês de junho, Marina Helou esteve com estudantes da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo (UMES) para falar sobre a importância do projeto Escola Sem Assédio e afirma que vai continuar lutando pela sua tramitação e aprovação na Alesp.

Marina no encontro com estudantes da UMES, em junho. (Foto: Reprodução)


"Mais do que se posicionar, é preciso políticas públicas que protejam meninas e meninos. Esse projeto é necessário e uma resposta que precisamos há tempos para deixarmos de naturalizar o assédio nas escolas".


POEMA RELATO ASSÉDIO


Uma das estudantes que ajudou a construir o Projeto de Lei Escola Sem Assédio fez um poema relatando o assédio que vivenciou na escola quando mais jovem e para que as pessoas apoiem o projeto.

"A menina de mochila

Caminha em direção a entrada

Pensa que o perigo de ser assediada

Ficou da escola para fora

Mas aí ela se engana

E percebe que mesmo em sala de aula

Pode sofrer dessa violência

E ainda ser silenciada

A menina era risonha

Mas pouco a pouco perdeu seu brilho

Por causa de um funcionário então maldito

Que esqueceu que respeito e educação

São direitos que por lei deve ser garantido

A evasão escolar feminina é alta

Ser assediada nos deixa ainda mais desmotivadas

Onde eu deveria aprender e estar segura

Eu posso ser violentada?

E cadê esse pessoal que não faz nada?

Alguma legislação que me ajude contra essa violência

A gente criou um projeto

Por ela, por ele e pelos demais que já sofreram

Aliás não só pelos que sofreram,

Mas para aqueles que queremos evitar que sofram

Toda ajuda é bem-vinda

Mobilização, empatia e divulgação são necessárias

Para garantir a educação e uma escola segura

Esperamos que apoiem o projeto de lei Escola sem Assédio

Educação é um direito

Que precisa de segurança para que possa ser exercido

E o primeiro passo para isso

É você entrar nessa com a gente Para tentar fazer tudo isso ser possível" - Mavi


Marina Helou também disponibilizou um abaixo-assinado para quem quiser apoiar o Projeto Escola Sem Assédio.